terça-feira, 26 de março de 2013

A.R. - E os médicos??

Meninas posso dizer uma coisa? 
Este desabafo está me fazendo um bem danado, acabei entrando em blogs de mães de anjos e a esperança voltou a brotar no meu coração, em todos que eu entrei as meninas depois de 6 meses voltaram engravidar, tempo que irei precisar para tentar novamente...

Bom, uns 4 dias após este resultado do ultrassom resolvi ir no posto de saúde aqui perto de casa ver como fazer para dar entrada no pré natal, afinal não sabíamos o que estava acontecendo, e no fundo a esperança ainda existia... Meu esposo foi comigo, chegamos lá, a médica viu o ultrassom e nos falou o seguinte: Bom eu podia abrir o pré-natal, mas como deu este resultado no ultrassom, vou pedir um exame de sangue. Ai o Ronny perguntou se der positivo é porque a gravidez continua evoluindo? E ela falou isto mesmo, se der negativo realmente o bebê parou de crescer e se der positivo é só voltar aqui que damos início ao pré-natal. Saímos de lá e fomos correndo fazer o exame, e lá estava o meu resultado, positivo 49 mil de taxa, na hora eu e o meu marido falamos to grávida ainda, o bebê continua vivo, aquele médico é louco. 
Mas logo conversando com outras pessoas que já engravidaram fiquei sabendo que aquela taxa só indicava a gravidez e grávida eu estava, então a taxa hormonal estaria alta.

Mais dias angustiantes, meninas vocês não sabem o que é viver sem saber se está tudo bem ou não, a pior dor era saber que eu tinha realizado um sonho, (que era o de ser mãe), mas não sabia se poderia concretiza-lo (ter o meu filho), foi ai que o chefe do meu marido disse para irmos lá porque o doutor faria outro ultrassom e acabaria aquela angustia... fomos, na hora de entrar no consultório não deixaram meu marido entrar, e eu fui sozinha, toda cheia de esperanças, acho que de tudo este foi o pior dia. Este "médico" perguntou o que tinha acontecido, eu contei que desconfiava do ultrassom, ele olhou e me disse, "não precisa se preocupar, o exame tá certo, é só você esperar um mês que o organismo ai expulsar" ai eu contei como foi aquele dia, e ele me disse que não, que o exame estava certo, gente ele nem me tocou, pedi para fazer outro ultrassom ele me disse que não precisava, que lá não tinha como fazer (hello eu sabia que tinha sim), falei que não estava tomando os remédios de pressão e ele me perguntou porque e eu respondi que era por causa da gravidez que precisaria tomar outro, e ele me respondeu pura e secamente, mas vc pode tomar vc não está grávida, me disse que não precisava me preocupar, porque eu não tinha perdido um filho eu tinha perdido uma bolinha de carne. Isto gente ele tratou o MEU FILHO como uma bolinha de carne, saí de lá arrasada, mal, muito mal, ele nem me olhou, ele nem quis uma segunda opinião. Ninguém se conformou por ele não querer fazer o ultra. 

Ai o chefe do meu marido não descansou, até a super do hospital ficou sabendo do meu caso e disse que podíamos fazer o teste, mas não deixou nada por escrito, voltamos 4 dias depois lá, em uma sexta-feira, passei em outra médica, esta sim foi um anjo na minha vida, conversou muito comigo, me disse que é normal ocorrer aborto nas primeiras semanas, mas que aquele meu ultrassom podia estar errado porque o meu bebê teria no máximo 7 semanas quando eu fiz o ultrassom, disse que eu teria que fazer outro exame urgente, me explicou que o Beta HCG não resolveria nada, mas que naquele dia não tinha quem fizesse ultra no hospital, mas eu precisaria fazer um ultrassom urgente, porque se aquele ultrassom estivesse todo errado, já estava mais do que na hora de começar o pré natal. Sabe ela não me deu esperanças, ela me acolheu, disse que podia ter acontecido e que se tivesse mesmo que eu tinha o direito de chorar, afinal era um filho, mas não devia me culpar. Saí de la novamente sem o meu ultra, mas desta vez saí com uma paz, eu já sentia que meu filho tinha me deixado, só queria confirmar, mas o chefe do meu marido, não se deu por vencido, foi até a diretoria conversar com a supervisora (acho que é supervisora sei que ela é uma das que comanda tudo lá) e demos a sorte de o diretor do centro obstétrico, ficar sabendo do nosso caso e nos chamar.

Este foi outro anjo que apareceu, nossa ele esclareceu tantas dúvidas e o que eu achava mais bonito é que ele falava que eu e meu marido estávamos grávidos, fez a contagem da minha gestação e realmente no ultrassom eu estaria com 7 semanas pois eles contam a partir do primeiro dia da última menstruação, explicou que não existe uma causa, que não adiantava procurar culpado, dizer que foi pelo casamento, pelo nervoso, pelo toboágua, nada, ele falou tem tantas mulheres que apanham a gravidez inteira, carregam peso, não descansam e o bebê nasce perfeito, o que ocorre é que é normal perder o bebê nas primeiras semanas, e que muitas mulheres não percebem porque acham que atrasou e depois desce e não era menstruação e sim um aborto, mas é comum associar a um atraso menstrual. Disse que se tivesse ocorrido algo que era porque a natureza é sábia e detectou uma má formação então o bebê parou de crescer, disse que o bebê poderia nascer faltando uma parte e por isto a natureza para de crescer. Disse que se o exame desse negativo que tínhamos o direito sim de chorar, de ficar de luto e curtir este luto, porque era nosso filho, nosso sonho, mas que era melhor pensar nisto só depois. Nos disse que podíamos sim ter outros filhos, uma vez que éramos férteis os casais que não podem ter filhos nem passam por isto. Explicou também que se desse positivo era melhor esperar o organismo expulsar o bebê, porque a curetagem era um procedimento cirúrgico e que em casos raros podia acabar atrapalhando novas gravidezes.  E marcou de voltarmos lá no outro dia porque uma médica faria o ultrassom, ele deixou uma carta pedindo.

No outro dia fomos cedo, chegamos lá a médica foi chamada, passou por nós e nem disse bom dia depois nos atendeu e nos levou para o ultrassom, meu marido novamente foi comigo. Ela começou a fazer o exame e logo perguntou porque o médico tinha pedido a ultra, ai eu falei da suspeita e ela falou "é realmente não tem batimento", confesso que achei que aquela notícia seria mais dolorida, era a confirmação de que eu tinha perdido o meu filho, mas como meu marido falou, pensei que estaríamos piores, voltei, chorei... e resolvi esperar, ele querer sair...



"Bebê este um mês esperando a sua partida definitiva foi dolorida, eu falava tanto com vc, que eu queria fazer outro e ouvir o seu coração, te chamei de preguiçoso várias vezes lembra? Falei da próxima vez quero ver vc dando piruetas... quero que vc mostre que vai crescer sim... talvez por isto vc não quis levar o seu corpinho né?"


4 comentários:

  1. Suzy, eu já passei por médicos como esses estúpidos, mas no meu caso, estava com dores absurdas com pedras na vesícula e o FDP nem se importou com isso, o infeliz me fez pagar por outro exame para me dar o diagnóstico! Enfim, esse tipo de pessoas, qeu não tem coração e nem empatia, receberão seu pagamento das mãos de Deus.
    É bom desabafar, assim vc fica mais leve e começa a pensar no futuro, vc viu que nos demais casos, as mulheres realizaram seus sonhos de ser mãe, logo será vc.

    Bjs.

    ResponderExcluir
  2. Nessas horas a gente vê que realmente deviam ensinar melhor aos médicos como lidar com pessoas... vocês estavam super vulneráveis com uma notícia tão triste e alguns médicos trataram vocês como "só mais um". Isso me revolta!
    Beijinhos...

    ResponderExcluir
  3. Que bom apareceu medicos mais humanos para te atender ne...bjos

    ResponderExcluir
  4. Que bom que apareceram médicos decentes para te atender, nessas horas que vemos a importância de um bom profissional e o quanto ainda estamos carentes disso né.
    Bjs =^.^=

    ResponderExcluir

Deixem o seu comentário, vou adorar ler o que tem para me dizer... Ah e volte sempre!!! A sua visita me deixa muito feliz